terça-feira, janeiro 10, 2012

Vista triste

Alto da montanha,
Céu estrelado.
Entre coisas tão estranhas
Um rosto nublado.

Vista triste
Pés ancorados.
Ficando distante
Um porto abandonado.

Com olhar distante
Assistiu ir embora precioso tesouro.
Lembranças de estante,                                                      
Em molduras de ouro.

Restaram na memória
Fatos quase apagados,
Distanciados da história
Por olhos embotados.

Quis correr, chegar ao cais,
Mas pés ancorados nem andam pra trás.
Naquela vista ia no adeus a doce paz
Peito comprimido, surdos ouvidos, era tarde de mais.

Alto da montanha,
Tristeza mal solucionada.
Entre coisas tão estranhas
Uma atitude desesperada.

Corpo vazio
Sem mente, nem alma
Uma viagem sem caminho,
Um destino sem chegada.

 

Tamires


5 comentários:

  1. Oi! Prezada Tamires.

    Parabéns por mais um ótimo poema. adoro esse seu jogo de palavras e frases.

    Um forte abraço, cheio de Paz e Luz.

    ResponderExcluir
  2. Tamires,
    Seu poema lembra muito um poema meu chamado "Queda" que ainda não publiquei, mas vou publicá-lo, e você verá como apesar de diferentes são tão parecidos na sua essência. Eu valorizo todos os poemas, os tristes, os alegres, todos, pois vem de sentimentos, e todos os sentimentos devem ser respeitados. Um abraço, um ótimo dia, bjs

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, meus amigos!
    Voltem sempre..♥

    ResponderExcluir
  4. Muito bom tamires.
    faz realmente a gente pensar.




    visita o meu: brendovieira.blosgpot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...